Formalização do consórcio WebGIS.Arch



Foi assinado na semana passada o contrato de consórcio científico entre a Dryas, a Universidade de Coimbra e a SenseBloom, Lda., com vista ao desenvolvimento do projecto de I&DT “WebGIS.Arch”, apoiado pela AdI – Agência de Inovação, no âmbito do QREN.

A assinatura do contrato de consórcio científico com a Universidade de Coimbra (Faculdade de Ciências e Tecnologia) e a SenseBloom (uma empresa especializada na criação e gestão de sistemas de informação e soluções de interacção homem/máquina) formaliza o acordo relativo à execução do projecto “WebGIS.Arch – Plataforma virtual (Wiki, SIG e Web-social) de Património histórico e arqueológico”.

Este projecto de I&DT na área específica das Tecnologias de Informação aplicadas à gestão do património cultural, visa criar uma aplicação Web capaz de servir remotamente uma base de dados georreferenciada sobre o património histórico-cultural.

Conjugando tecnologias Web2 e Web3 (interoperatibilidade, gestão partilhada de informação, criação de conteúdos pelos próprios utilizadores, desenvolvimento de comunidades virtuais, tecnologia de redes semânticas, wiki e Web-SIG, suportando acesso móvel via 3G), a plataforma a criar servirá duas comunidades de utilizadores:

- Para a comunidade científica, permitirá a gestão da informação sobre o património histórico e o processo de investigação, favorecendo (1) a circulação rápida da informação científica e (2) o surgimento de projectos de investigação transdisciplinares e inter-institucionais;

- Para a sociedade em geral, proporcionará uma experiência interactiva e criativa do património histórico, promovendo o desenvolvimento cultural dos utilizadores e a apetência pela visita física aos locais.

O desenvolvimento desta plataforma virtual dedicada ao património histórico-arqueológico constitui o corolário lógico da estratégia Dryas de crescimento, diversificação e internacionalização, não apenas por dotar o grupo Dryas Octopetala de um meio de comunicação actual, dinâmico e de alcance global – realizando assim uma parte muito relevante da missão social da Dryas, relativa à divulgação e protecção do património arqueológico – , mas até por implicar o aprofundamento de relações já existentes com os parceiros da Dryas no Brasil e em França e poder contribuir para a entrada noutros mercados internacionais.

Mais, o projecto apresenta ainda um significativo potencial de reforço do investimento nas opções estratégicas da economia portuguesa por: (1) promover a criação de produtos turísticos baseados em recursos culturais; e (2) comportar um potencial relevante de exportabilidade (difusão do software, exportação de serviços da Dryas e da atracção de públicos para o turismo cultural em Portugal). Este factor de impacto nacional justificou o apoio do projecto pela AdI – Agência de Inovação, concedido no âmbito do QREN – Quadro de Referência Estratégico Nacional



Arquivo de Notícias